Na segunda fase da operação Fundraising que visa apurar o desvio de recursos públicos e fraude a procedimentos licitatórios em municípios catarinenses, realizada desde as primeiras horas desta manhã, viaturas do GAECO e GEAC estiveram em Cocal do Sul.

Logo surgiram as informações das prisões preventivas do prefeito Fernando de Faveri e de um outro servidor.

Essas fazem parte das 11 mandados de igual teor, cinco de suspensão do exercício das funções públicas e 63 de busca e apreensão, expedidos pelo Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, que se concentraram em 23 municípios catarinenses, um do Rio Grande do Sul e em Brasília/DF.

Entre os detidos ou que foram alvo de busca e apreensão estão agentes políticos com e sem mandato do PL, PT, PSDB e MDB.

Além do aspecto de polícia e justiça, no caso de Cocal, está eleição de outubro na qual Fernando pretendia buscar a reeleição, mantendo a chapa com o vice do PL, e com o apoio de outras siglas locais.

O cenário político da cidade vizinha deve sofrer alterações com a possível apresentação de outros nomes e chapas, felizmente em tempo porque as convenções começam a ser realizadas dentro de um mês.