Como foi aqui antecipado, a 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, julgou nesta manhã de quinta-feira (27), o agravo interno interposto pelo Ministério Publico, que buscava a revogação da prisão domiciliar, concedida em 24 de maio, ao prefeito de Urussanga, Gustavo Cancellier (sem partido), detido em regime fechado no dia 16 do citado mês, na segunda fase da Operação Terra Nostra.

O colegiado por unanimidade determinou o imediato restabelecimento da prisão preventiva, no entanto, a partir de agora, em cela da enfermaria da penitenciária industrial de Joinville.