Ficou no passado a ideia disseminada por adversários dentro e fora do MDB de que o prefeito Udo Döhler, de Joinville, estaria de malas prontas para deixar a sigla, um sonho de consumo dito em voz alta para impedir que ele agisse para fazer o sucessor, em 2020.

Empolgado, com discurso forte e com grande deferência à dona Ivete Appel da Silveira, primeira suplente do senador Jorginho Mello, que personifica a forte figura do marido Luiz Henrique da Silveira, mais presente a cada encontro da sigla, Udo conclamou os emedebistas à vitória, durante um evento dos segmentos Mulher e Jovem, no Restaurante e Pizzaria do Nego, no último sábado.

Para uma plateia, que veio de toda a região Norte e ainda de parte do litoral, ele lembrou que o MDB terá candidato à prefeitura. E sem citar nomes, deu uma olhada com pausa em direção ao deputado estadual Fernando Krelling, que estava sentado na primeira fila ao lado do deputado federal Carlos Chiodini.

Krelling falou como pré-candidato, sem revelar sua estratégia, e também puxou os filiados ao afirmar que “os que pretende concorrer devem começar a trabalhar agora, acertar as conversas e alianças”.

É no Norte que o MDB mostra sua força, em dois importantes colégios eleitorais: Joinville, administrada há sete anos por Udo, e Jaraguá do Sul, com Antídio Lunelli, que deve concorrer à reeleição.

Aliás, foi em Jaraguá, que um dia antes, os prefeitos e vices da região se reuniram para tratar da eleição do ano que vem e da ousada meta estabelecida pelo presidente estadual Celso Maldaner: subir de 101 para 120 prefeitos eleitos e de 847 vereadores para 1.000.