Blog do Paulo Matias

Posts tagged CarlosMoisés

Sem categoria

Governador corta o cafezinho

A cultura do cafezinho nas repartições públicas do Estado está com os dias contados. Ao menos em relação ao café comprado e servido às custas do próprio governo na administração direta. É o que determina um ofício circular assinado recentemente pelo secretário de Administração, Jorge Eduardo Tasca, e enviado aos demais secretários e gestores da administração.

A medida considera o atual déficit financeiro do Estado e o gasto anual de R$ 1,7 milhões com café, leite, açúcar e garrafinhas de água servidos pelo Executivo. Outros R$ 2,8 milhões são gastos com o serviço de copeiras e garçons terceirizados.

“Talvez a contragosto de boa parte dos servidores, nós cortamos o cafezinho da repartição. A gente pode trazer o cafezinho de casa. Aliás, o cafezinho do poder público é muito ruim. Porque eu acho que o processo licitatório não é muito adequado, a gente nunca sabe o que está bebendo. Quer tomar um bom café, traga de casa. Nós vamos dar o exemplo. Economiza só R$ 2 milhões? Não tem problema. Mesmo que seja simbólico, nós vamos economizar de tudo quanto é forma”, anunciou o governador catarinense.

Economia / Política

Decreto oficializa desativação das ADRs em Santa Catarina

A desativação das 20 Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) foi oficializada em um decreto assinado pelo governador de Santa Catarina, Carlos Moisés. O documento detalha a forma como a desarticulação será feita, sob a coordenação de um grupo composto por representantes de diversos órgãos do governo.

De acordo com o decreto, todo o processo de desativação das ADRs deverá estar concluído até o dia 30 de abril. A extinção definitiva das agências será objeto da reforma administrativa, a ser encaminhada à Assembleia Legislativa em fevereiro. A publicação está prevista para a edição desta segunda-feira (21), do Diário Oficial do Estado.

“É uma promessa que estamos cumprindo, a de entregar um Estado mais leve, ágil, eficiente”, resumiu o governador, e uma transmissão ao vivo nas redes sociais.

Sem categoria

Jamazi Alfredo Ziegler será o novo presidente do Porto de Imbituba

O coronel da reserva da Polícia Militar Jamazi Alfredo Ziegler assumirá a presidência do Porto de Imbituba. O anúncio foi feito na tarde desta sexta-feira (18), pelo governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, na Casa D’Agronômica, em Florianópolis.

“Sou grato ao governador pela confiança no meu trabalho. O Porto de Imbituba é um importante instrumento para o desenvolvimento econômico de Santa Catarina e vou me dedicar para que ele cumpra com esse papel em todo o seu enorme potencial”, afirmou Ziegler.

Na avaliação do governador, a nomeação dá continuidade ao processo de qualificação da administração direta e indireta.

Além de graduado no Curso de Oficiais da Polícia Militar de Santa Catarina, Ziegler é bacharel em Direito e especialista em Direito Administrativo, Prevenção ao Crime, Administração de Segurança Pública, Direito do Trabalho e Preparação à Magistratura do Trabalho.

 

Cultura / Economia / Política

Asssita: Depois do desencontro, governador anuncia nova presidente da Santur

Carlos Moisés através das redes sociais, em companhia da vice Daniela Reinehr anunciou Flavia Didomenico para a presidência da Santur – Santa Catarina Turismo.

Graduada em Turismo e Hotelaria, com especialização em Turismo: Planejamento, Gestão e Marketing. Segundo o governador, Flavia terá a missão de desenvolver um setor que pode contribuir ainda mais com a economia do Estado, e o caminho inicial é o fomento de ações integradas valorizando a vocação turística de cada região de SC.

Política

Deputado Rodrigo Minotto lamenta veto a PL que dá publicidade a agenda do Executivo

O deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT) lamentou nesta quinta-feira (17), o veto do Governador Carlos Moisés ao Projeto de Lei 184.2/2015, de sua autoria, que obriga a publicidade da agenda do Poder Executivo. Ela determina a divulgação eletronicamente com antecedência de 24 horas e o objetivo é dar mais transparência aos atos do Governo do Estado.

O PL foi aprovado por unanimidade na Assembleia Legislativa no fim de 2018. Na mensagem de veto, o Governador alega que a competência de iniciativa é do Poder Executivo, e que o Projeto de Lei poderia colocar em risco a segurança das autoridades e familiares. “Essa justificativa parece muito frágil, já que no âmbito federal a agenda dos ministros de Estado e do próprio presidente da República é pública, conforme estabelece a Lei de Acesso à Informação (12.527/2011) e a Lei 12.813/2013, que trata do assunto”, explica o parlamentar.

A redação do Projeto de Lei prevê que a agenda de compromissos públicos poderá ser alterada se houver motivos urgentes e relevantes, para tanto, devendo a justificativa ser registrada expressamente no sítio em que se encontra a agenda no dia seguinte à alteração. São considerados agentes públicos, neste caso, Governador, vice-Governador, secretários de Estado, presidentes de empresas públicas estaduais e presidentes de fundações públicas estaduais.

“O artigo 4º da Lei aprovada na Alesc dispõe claramente sobre a desobrigação na divulgação da agenda em casos que coloquem em risco a segurança da sociedade ou do Estado, preservando nestas situações as autoridades envolvidas. O veto a este projeto é incompreensível e vamos trabalhar para derrubá-lo no plenário da Assembleia”, esclarece o deputado Minotto.

Cultura / Política

Transparência: Governador Moisés veta dar publicidade a atos públicos do Executivo em Santa Catarina

Enquanto a agenda do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e de todos os seus ministros pode ser consultada por toda a população no site do Planalto, em Santa Catarina a transparência dos atos do Executivo não foi aprovada pelo novo governador.

Em veto publicado no Diário Oficial do Estado, Carlos Moisés não sancionou um projeto de lei que pedia a publicidade dos atos políticos agendados pelos agentes públicos do Poder Executivo.

O PL 184/2015, do deputado Rodrigo Minotto (PDT), que havia sido aprovado pela Alesc no ano passado, pedia transparência da agenda do governador, vice-governadora, secretários de Estado, secretários de Desenvolvimento Regional e presidentes de empresas e fundações públicas estaduais.

O texto justifica que a medida é inconstitucional e contrária ao interesse público, com fundamento em parecer da Procuradoria-Geral do Estado e em Comunicação Interna da Secretaria Executiva da Casa Militar.

Em relação ao interesse público, a justificativa é que a divulgação pode colocar em risco a segurança do governador, do vice-governador e de seus familiares.

Áudio / Economia / Política

Ouça: “Fortaleceremos as Associações de Municípios”, diz Ponticelli

Eleito para o comando da Federação Catarinense de Municípios (FECAM) na gestão 2019/2020, o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli (PP), assume com a missão de manter a defesa por um novo Pacto Federativo, identificar e disseminar as boas práticas das prefeituras catarinenses e focar no fortalecimento das Associações de Municípios e da organização municipalista no processo de desenvolvimento de Santa Catarina.

O ato de posse ocorreu nesta terça-feira (15), em cerimônia prestigiada, com a presença do governador, Carlos Moisés, da vice-governadora, Daniela Reinehr, representantes dos três poderes, Executivo, Legislativo, Judiciário, secretários de Estado, presidentes e diretores de entidades, universidades, parlamentares eleitos e em atividade, prefeitos, empresários, e demais lideranças. Durante a solenidade também foi assinado termo de cooperação técnica, entre a FECAM e a FIESC, para o desenvolvimento dos municípios e regiões de Santa Catarina em regime de parceria.

Joares Ponticelli, fala sobre as prioridades ao assumir a entidade para a gestão 2019/20.

Política

Vinte e oito PMs são nomeados para a segurança pessoal de Carlos Moisés e Daniela Reinehr

O Secretário Executivo da Casa Militar, coronel João Carlos Neves Júnior, designou 18 agentes de segurança pessoal para o governador Carlos Moisés e seus familiares.

A equipe é composta por dois capitães, dois subtenentes, seis sargentos, três cabos e quatro soldados da Polícia Militar.

Ainda foram designados outros 10 agentes para a segurança pessoal da vice-governadora, Daniela Reinehr, e seus familiares.

De acordo com a assessoria de comunicação do governo, o número de agentes se manteve em relação a outras gestões e os PMs fazem escalas para dar conta da segurança dos governantes.

Política / Urgente

Crise: Deputados federais do PSL pedem a destituição da Executiva em SC

Documento assinado por três dos quatro deputados federais eleitos pelo PSL em Santa Catarina está requerendo ao presidente nacional do partido, Luciano Bivar, a “destituição” da Executiva estadual, presidida por Lucas Esmeraldino, atual Secretário do Desenvolvimento Econômico Sustentável do governo Carlos Moisés da Silva.

Entre as principais razões para a mudança os parlamentares relacionam a decisão de Esmeraldino de nomear uma nova Comissão Executiva Estadual, no final de 2018, sem ouvir as bases do partido, e de estar se distanciado das lideranças municipais. Alegam, ainda, que, assumindo cargo no primeiro escalão do novo governo, Lucas Esmeraldino está impedido de comandar o PSL em Santa Catarina.

Os três deputados reiteram apoio ao governo Moisés e indicam uma nova Executiva à Executiva para o estado. Ela teria na presidência a deputada federal diplomada Caroline De Toni, como vice o deputado federal diplomado Luiz Armando Schroeder Reis e como secretário-geral o deputado federal diplomado Daniel Costa de Freitas.

Veja a íntegra do requerimento: 

“Diante dos mais recentes acontecimentos envolvendo a direção e a condução do PSL em Santa Catarina, os deputados federais eleitos que subscrevem, depois de ouvir o clamor da base da sigla e também de militantes pró-Bolsonaro, manifestam discordância e estranheza acerca de alguns fatos.

Os parlamentares discordam veementemente da forma como foi “definida” a nova executiva estadual do PSL. No apagar das luzes de 2018, sem critérios, sem diálogo e de forma personalista. Os nomes foram escolhidos pelo presidente estadual da sigla, de forma unilateral.

Um líder partidário deve dialogar com a base para que disponha de legitimidade e, assim, tenha capacidade de mobilização da militância, de lideranças regionais e de eleitos. Isso não está acontecendo. Muito embora reafirmamos total apoio ao governador Carlos Moisés da Silva, eleito com a maior votação da história de Santa Catarina, os parlamentares não concordam a exclusão da base das decisões do rumo do PSL catarinense.

O grupo entende que os eleitos, suplentes, filiados e militantes precisam estar sintonizados com o projeto partidário claro e abrangente, projeto que este que precisa estar sintonizado com o Presidente da República, Jair Bolsonaro.

Ademais, o atual presidente estadual do PSL assumiu uma Secretaria importante no novo governo estadual e dificilmente conseguirá dedicar o tempo que a administração do partido merece e necessita neste momento tão delicado de transição política no Estado e no país.

Diante do exposto, e também de outras questões internas que ameaçam a estabilidade e o futuro do PSL catarinense, na forma como fora concebido, os deputados e líderes aqui nominados solicitam a imediata substituição da comissão provisória estadual de Santa Catarina, a ser composta da seguinte maneira:

Presidente: Caroline Rodrigues De Toni Vice-Presidente: Luiz Armando Schroeder Reis Secretário-geral: Daniel Costa de Freitas Primeiro-Secretário: Suelen Lara dos Santos Tesoureiro-Geral:  José Carlos Carvalho Lucas Primeiro-tesoureiro: João Vitor dos Santos Cechinel Vogal: Edgar Lopes Vogal: Julia Zanatta Vogal: Júlio Cesar Lopes Vogal: Marcelo Marcel Franco José da Silva Vogal: Rutinéia Rossi

Por fim, os deputados federais eleitos abaixo assinados ficam à disposição para fornecer o rol completo de documentos dos novos membros integrantes da executiva estadual provisória do PSL-SC.

Termos em que pedem deferimento. Brasília-DF, 9 de janeiro de 2019.”

 

 

Política

Pressão: O novo nome na mira da base do PSL

O deputado estadual do PSL criciumense, Jessé Lopes publicou no início da manhã em suas redes sociais o nome daquela que é apontada pela base do partido para não permanecer no cargo.

Jessé especificou, “Dando continuidade na faxina do quadro de funcionários do Estado, já levamos ao conhecimento do Governo, o nome da Karen Sabrina Bayestorf Duarte, que segundo ela, não moraria nem em um prédio ao qual Bolsonaro fosse sindico. Mas aceitou uma vaguinha de diretora de gestão de materiais e serviços no governo do PSL”.

Trata-se Diretora de Gestão de Materiais e Serviços, que no período de campanha fez  a publicação (foto).

O parlamentar do Sul ainda acrescentou, “Ué?! O governador não disse que montaria um governo técnico?” Sim! Mas achar que aceitaríamos pessoas técnicas da turma do “eleNão”, é ingenuidade ou oportunismo?”