Blog do Paulo Matias

Posts tagged 2020

Economia / Política

Deputado é ovacionado por prefeitos em Brasília ao anunciar proposta para unificar as eleições no país

Rogério Peninha Mendonça, deputado federal do MDB/SC, foi aplaudido de pé durante a Marcha a Brasília, nesta quarta (10). A reação foi espontânea do público, após o anúncio do parlamentar sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para unificar as eleições no país. Se a proposta for aprovada, prefeitos e vereadores terão seus mandatos prorrogados por dois anos, e a próxima eleição será apenas em 2022.

“Confesso que no primeiro momento fiquei até surpreso com a reação. Mas isso mostra a importância desta PEC. O pleito de 2018, por exemplo, custou aos cofres públicos a incrível soma de R$ 900 milhões. Imagine, só o sistema logístico que precisa ser criado para que as urnas eletrônicas cheguem a todos os estados, em cada canto do nosso país, a preparação da equipe, mesários, material, aluguel de espaços e de veículos” argumenta o autor.

Pelo texto, todos os políticos em mandato eletivo serão escolhidos em pleito único. Assim, nas eleições de 2022, além de governadores, vice-governadores, deputados federais, estaduais e presidente, os cargos municipais também estarão na urna para a escolha dos eleitores.

 

Opinião / Política

Eleições de 2020 podem ser definidas pela realidade de cada município

Todos os partidos tradicionais de Santa Catarina não vivem seu melhor momento e até o recém surgido PSL, logo após a eleição já apresentou uma divisão.

Essa realidade aponta para a necessidade de as siglas resolverem suas questões com os eleitores em cada município nas eleições de 2020, com raras influencias regionais, estaduais. Ou seja, independentemente de partido, os candidatos é que devem fazer a diferença no próximo pleito.

Política

Peninha quer a unificação de mandatos políticos e eleições só em 2022

O deputado Rogério Peninha Mendonça (MDB/SC), quer a unificação de mandatos eleitorais. O parlamentar está recolhendo assinaturas na Câmara dos Deputados para apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acaba com eleições a cada dois anos. Pelo texto, todos os políticos em mandato eletivo serão escolhidos em pleito único.

“O período eleitoral é historicamente uma fase em que o país para. As obras públicas não têm andamento, os projetos ficam congelados. Isso sem falar no trabalho legislativo que é quase nulo. Não existe uma justificativa plausível para que tenhamos eleições a cada dois anos. Será absurdamente mais produtivo e barato aos cofres públicos se definirmos todos os líderes de uma só vez”, argumenta o autor.

Um levantamento feito pelo Senado Federal, aponta que o Brasil tem as eleições mais caras do mundo. A campanha de 2018, por exemplo, custou aos cofres do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aproximadamente R$ 889 milhões.

“Imagine só o sistema logístico que precisa ser criado para que as urnas eletrônicas cheguem a todos os estados, em cada canto do nosso país. A preparação da equipe, mesários, material, aluguel de espaços e de veículos. Com a unificação, os reflexos dessa economia já seriam sentidos no ano que vem, com o pleito de 2020 suspenso”, aponta Peninha.

Para que a unificação seja consolidada, os mandatos de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores precisarão ser prorrogados por dois anos. Assim, nas eleições de 2022, além de governadores, vice-governadores, deputados federais, estaduais e presidente, os cargos municipais também estarão na urna para a escolha dos eleitores.

Política

PSL quer definir executivas municipais até maio, com foco em 2020

Os integrantes da Executiva catarinense estiveram reunidos na manhã desta sexta-feira (8), na sede do partido, na capital, em encontro conduzido pelo presidente estadual, Lucas Esmeraldino.

Entre os assuntos abordados, esteve em pauta a definição das composições das comissões provisórias municipais. Ficou acordado que os parlamentares do partido, em conjunto com o presidente Lucas Esmeraldino, farão um levantamento de todos os municípios, para posteriormente, analisar cada movimento, em novo encontro da executiva estadual, agendada para o mês que vem.

A expectativa é de que, até início de maio, boa parte das executivas municipais estejam devidamente homologadas pelo órgão partidário estadual. “Fomos um dos partidos que mais apontou um crescimento constante e gradativo, no último ano, composto por lideranças que buscam abrigo num partido sério, com política e posição definidas. De nanico, o PSL se tornou gigante. Agora, seguimos unidos e mais fortes do que nunca, alinhados, sintonizados e focados no fortalecimento da sigla e, também, em fazer o maior número de prefeitos em Santa Catarina, em 2020. Juntos, temos a certeza, faremos um partido ainda melhor e maior”, enfatiza o Presidente do PSL, Lucas Esmeraldino.

Durante o encontro, também esteve na ordem do dia a discussão das composições dos segmentos jovem e feminino do PSL/SC. Na oportunidade, também foi apresentado um documento assinado por mais de duzentas mulheres filiadas ao partido, incluindo a deputada estadual Ana Caroline Campagnolo e suplentes de deputadas, conclamando a vice-governadora, Daniela Reinehr, a assumir a presidência do PSL Mulher.

Para o secretário geral da sigla e deputado federal, Daniel Freitas, os próximos passos da sigla darão continuidade num projeto grandioso, iniciado no ano passado e reafirmado com o sucesso no último ano. “A partir de agora, iniciamos o processo de reconstrução das executivas municipais e crescimento da sigla, reconhecendo e formando líderes que darão continuidade e trabalharão alinhados com os projetos nas esferas estaduais e federais, tendo os deputados estaduais, federais, o Governador e o Presidente da República como grandes parceiros no desenvolvimento e renovação dos Executivos e Legislativos Municipais”, finaliza.

Ao final do encontro a conclusão era de que a Executiva Estadual do Partido Social Liberal (PSL) de Santa Catarina alinhou estratégias, harmonizou pontos de vista, definiu metas e já foca nas eleições de 2020.

Política

Daniel Freitas discute medida que revoga incentivos fiscais do setor produtivo catarinense em agenda na Alesc

Em agenda na capital catarinense durante esta quinta-feira (07), o deputado federal Daniel Freitas, conversou com diversos deputados estaduais e reuniu-se com o presidente da Assembleia Legislativa Júlio Garcia.

A pauta principal do encontro foi o decreto assinado no final do ano passado pelo ex-governador Eduardo Pinho Moreira, que suspende incentivos fiscais e que deveria entrar em vigor no dia 31 de março.

O prazo foi estendido para o dia 31 de julho, fato comemorado pelo deputado Daniel Freitas, o qual ressaltou que a ampliação do prazo contribui para uma maior análise dos impactos econômicos e a possibilidade de dar continuidade dos atuais 26% do benefício.

“A intenção é que a Lei seja amplamente discutida, e que não venha a onerar o setor econômico, o que poderia afetar a competitividade do setor em Santa Catarina e ter reflexos negativos na economia do nosso Estado”, avalia o deputado.

Entre os demais assuntos levantados pelos parlamentares, as eleições municipais de 2020 tiveram atenção especial dos deputados.

Política

Semana movimentada!

Florianópolis

Na capital depois dos apontamentos feitos pelo secretário de estado da fazenda quando da visita na Alesc, o visível posicionamento divido do governador, que ouve empresários, mas sinaliza aos deputados estaduais que precisa destes para extinguir os incentivos fiscais discutidos. Situação que fez com que esse até antecipasse a informação sobre uma possível falta de caixa para pagar a folha no meio ano.

Ainda na Ilha, mas já na Alesc, tomou corpo mais uma CPI, agora para tratar dos tais “benefícios de gaveta”, relatados pelo secretário citado anteriormente. E o rumo que teve da até prometida em campanha, Comissão Parlamentar de Inquérito, sobre a reforma da ponte Hercílio Luz, que gerou a insatisfação do deputado criciumense Jessé Lopes (PSL), que queria presidir a mesma, mas viu a mobilização interna realizada na casa colocar nesse posto o experiente Marcos Vieira (PSDB), deputado que se quer havia assinado em favor da referida CPI.

No estado

Já nas terras “Barriga Verde”, fechando a semana, a informação que surgiu sobre a possível intervenção do presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, no intuito de dissolver o partido no estado e não realizar convenção em julho. O que depois foi esclarecido, considerando que Gelson Merisio, candidato ao governo do estado que não logrou êxito, fica a frente do partido até a data citada e depois deve inclusive deixar a sigla, a qual ao que tudo indica vai ter na prática o comando do ex-governador Raimundo Colombo, uma vez que a maior liderança do PSD hoje, o presidente da assembleia legislativa do estado, Júlio Garcia, declarou que não tem interesse no posto.

Região

Trazendo a resenha para a AMREC, surpresa com a atitude do prefeito de Forquilhinha, Dimas Kammer, o qual através de um memorando interno, solicitou que fosse demitido seu secretário de governo, José Ricardo Junkes, que trabalhava na sala ao lado no passo e é presidente do partido do gestor, o PP. Sendo que ontem em uma coletiva, Kammer, rendeu elogios ao ex-secretário, mas não foi claro nas razões da demissão, embora tenha admitido que a forma foi no mínimo deselegante. O ocorrido que traz à tona a divisão da sigla no município, já afetada pelas intenções relativas as eleições de 2020, onde entra na história o ex-prefeito Lei Alexandre. Episodio sobre o qual o prefeito sinalizou que pretende descobrir o responsável pelo vazamento do “bilhete”, como se essa fosse a questão.

Lá fora

E na cidade polo, deu-se o pedido de desfiliação do PSL, do ex-presidente da executiva provisória do partido na mesma cidade, ente que participou ativamente da instalação da sigla na região, inclusive quando das definições de Carlos Moisés de Tubarão para a candidatura ao governo e de Daniel Freitas de Criciúma para a Câmara Federal. Empresário Júlio Lopes, pai do deputado eleito Jessé Lopes. Decisão que pode apontar o direcionamento do mesmo para outro partido, que sabe até seguindo a família Bolsonaro. Mas também indicando que a meta inicialmente anunciada sobre a intenção do PSL de atuar ativamente nas próximas eleições municipais não é tão simples.

Aqui dentro

Em Urussanga destacam-se a confirmação de que a reunião do MDB ocorrida no final da outra semana, foi diferente das demais realizadas depois da eleição de 2016, essa marcada pela cordialidade entre os participantes, onde também um pensamento foi consenso, do partido não deve demorar para colocar na rua nome do seu candidato a prefeito em 2020, o qual não será escolhido através de processo de “bater chapa”. E o anuncio da data em que ex-vereador que recentemente desfilou-se do mesmo MDB, Jucemar Sangaletti, assume uma diretoria no governo municipal do PP. O qual não deve filiar-se de imediato em outra sigla, mesmo com assédio do PSC.

 

 

Política

Napoleão Bernardes pede desfiliação do PSDB

O ex-prefeito de Blumenau e candidato a vice-governador ano passado, Napoleão Bernardes está deixando o partido. Em carta apresentada na noite deste domingo a lideranças tucanas municipais, ele anunciou que pretende ficar um tempo sem partido para “atualizar-me, reciclar-me e oxigenar-me nas questões pertinentes à política”.

Emparedado entre a vontade indômita do ex-senador Paulo Bauer de ser candidato a governador e a pressão de setores do partido por uma aliança que facilitasse eleição de deputados, Napoleão acabou escondido na vaga de vice de Mauro Mariani (MDB). Foi coadjuvante de um fiasco: o terceiro lugar da chapa emedebista e o quinto lugar de Bauer na disputa pelo Senado.

Napoleão garante que não pretende se filiar a outro partido no momento, mas também diz que não largará a política. Acredita que um período sabático em sua vida partidária será importante para um reposicionamento político. Opções não faltam. A maior dificuldade do agora ex-tucano será manter alguma visibilidade sem cargo e sem partido.

Maior ainda é o desafio do PSDB-SC. Sem Napoleão, o figurino de renovação cabe apenas na deputada federal Geovania de Sá. O ex-deputado federal Marco Tebaldi quer a presidência, o suplente de senador Beto Martins surge como opção de conciliação. Seja quem for o novo presidente, vai precisar saber ler o que significa a perda de uma liderança do peso de Napoleão.

Nos bastidores, há informações de que Napoleão Bernardes cancelou, inesperadamente, a filiação no PSDB, para integrar um novo grupo que pretende movimentar a política estadual em um outro partido para participar do pleito municipal de 2020 em Santa Catarina.

Exclusivo / Política

PSD de Urussanga quer encabeçar chapa em 2020

A história das eleições municipais de Urussanga descreve uma disputa que se perpetuou até aqui entre dois partidos que se alternaram no Paço, inclusive com uma rara situação em que ouve reeleição.

Segundo os dirigentes do PSD, a investida em uma candidatura própria em 2016, a qual foi considerada exitosa pelos mesmos, inclusive porque também resultou na eleição de um vereador, condição que o partido manteve, foi um sinal do que pretende a sigla, sem esquecer que os pleitos antes lembrados foram marcados por coligações.

Conforme os mesmos, se fortaleceu no grupo o sentimento de que em uma possível composição em 2020, o PSD quer ser cabeça de chapa.

Focados desde 2017, na tarefa que não será fácil para nenhum partido, principalmente por não haverem mais coligações nas  eleições proporcionais, de compor uma nominata completa de candidatos a vereador, o PSD ainda terá que definir o nome que apresentará para a majoritária, onde se fala novamente do empresário Rodrigo Fontanella, bem como do atual vereador Jair Nandi, e consideram a possibilidade da vinda de algum novo nome para partido com esse objetivo, o qual deverá ser de consenso no grupo, como já foi estabelecido.

Exclusivo / Política

PSL de Urussanga terá Executiva Permanente ainda no primeiro semestre

Depois de mais uma reunião realizada na noite de ontem pelos membros da Executiva Provisória, o PSL local, já tem um prazo definido para a constituição da Executiva Permanente.

Trabalhando em torno das filiações a fim de atingir o percentual exigido pela Justiça Eleitoral com base no número de eleitores do município para a citada composição, o partido tem definido o foco superada essa etapa, que é a participação nas próximas eleições municipais.

Sobre a Executiva Permanente a qual deve ser escolhida por meio de votação entre os filiados, uma decisão já existe. Por iniciativa do mesmo, o atual presidente, Ivo Roberto Diafenthaler “Gaúcho”, não concorrerá para permanecer no cargo, dando assim espaço para que um urussanguense preferencialmente assuma essa posição.

No que se refere o pleito de 2020, é hoje consenso do grupo que a chapa que concorrerá a majoritária deverá ter uma mulher pelo menos como candidata a vice.

Segundo as lideranças ouvidas, os interessados na filiação estão buscando o grupo e manifestando interesse sem qualquer compromisso assumido em termos de candidaturas.

Política

Dois nomes de ex-prefeitos de Urussanga estão sendo lembrados para a eleição de 2020

Uma vez que algumas das siglas locais pretendam apresentar nomes entre abril e maio deste ano, visando um amplo trabalho de contato com o eleitor, mesmo que discretamente as possibilidades já são levantadas nos bastidores.

Entre os três partidos que devem definir as próximas eleições municipais de 2020 em Urussanga, os nomes de dois ex-prefeitos são lembrados, assim como uma possível mudança de partido de um ente politico hoje considerado como um dos que irá também concorrer.