Talvez por assistirem seus antigos líderes, inclusive em âmbito regional e estadual perderem espaço no cenário por diferentes razões, ou quem sabe pelos nomes até então expostos no ambiente local, militantes tradicionais de alguns partidos de Urussanga, manifestam desinteresse em envolver-se com o pleito municipal de 2020.

Na maioria das vezes com a alegação de que estão saindo e dando lugar para outros, sejam os munícipes que nunca participaram ou os jovens interessados, esses vistos até como cabos eleitorais podem fazer falta na eleição que deve reservar surpresas e tende a ser diferente.

Trata-se de mais um fator que força os postulantes aos cargos que serão disputados em outubro do ano que vem, a avaliarem suas estratégias.

A opinião pública, a decisão popular, como vimos em outubro de 2018, fenômeno que parecia restrito as esferas federal e estadual, pode bater a porta dos municípios, inclusive aqui.

Até o momento a impressão é de que três possibilidades são as mais citadas, nas quais entes políticos embasam seus primeiros passos; aprovação, desaprovação e mudança.

Ao que se percebe, não tanto por partidos como historicamente aconteceu, mas por esses três aspectos acima, é que os eleitores irão ponderar.