Blog do Paulo Matias

Navegando na categoria Opinião

Opinião / Política

Revitalização da Praça, faltam informações e sobram criticas

Embora não tenha sido idealizada pela atual administração, a denominada “revitalização” da Praça Anita Garibaldi, em Urussanga, segue desagradando a população e expondo a face lamentável das obras públicas, em nosso país, estado e município, neste caso bem perto de todos nós.

Prazos que não são cumpridos, empresas que se habilitam sem na verdade terem condições de conduzir as obras, falta de fiscalização, desinformação a respeito e principalmente heranças que passam de uma administração para a outra em um cenário onde cada uma já tem dificuldades para conduzir seus próprios projetos.

O Blog procurou o diretor municipal de planejamento e superintendente da FAMU, Marco Zanellatto, apontado no DEPLAN como quem teria as respostas para seguintes perguntas:

  • Por quê aparentemente a obra está novamente parada?
  • Se obras constantes no projeto inicial como a instalação do Traffic calming (conjunto de medidas para moderação do tráfego motorizado, alternativa para que as ruas sirvam a todos, pois cria espaços de circulação seguros para os modos não motorizados), a retirada dos postes diante do “Casarão dos Nichele”, e a mudança na estrutura do semáforo no mesmo local, ainda serão realizadas?
  • Previsão para o término da revitalização?

E ouviu do mesmo que “Informações à imprensa são dadas através da assessoria de imprensa da prefeitura através da Jessica”.

Contatada a citada assessora como habitualmente o faz, prontamente comprometeu-se em buscar as referidas respostas, embora especialmente neste ano de 2017, não tenha conseguido junto a diferentes membros da administração obter as informações que atendam os questionamentos feitos por este veículo, na sua maioria.

Infelizmente neste caso as informações foram limitadas e não atenderam a totalidade dos questionamentos, com as seguintes respostas:

“A obra da Praça ela não está paralisada. Todo o processo está correndo normalmente. O que ocasionou essa parada foi a demora para chegar um material que vem do Espírito Santo e também a questão de tempo que acaba atrapalhando. Mas a previsão é que na próxima semana esse material já esteja aqui e a obra continue. Não há nada que esteja trancando ou atrasando o processo.”

“O prazo segue dentro do previsto. O que atrasou foi essa entrega de material.”

“A mudança do semáforo e a retirada dos postes está em análise e planejamento junto com a comissão de trânsito e demais órgãos públicos. O Município entende a importância do casarão e está juntando esforços para garantir a melhor forma de fazer este trabalho.”

Os munícipes os quais na sua maioria queriam esquecer esse aborrecimento gratuito fruto da contraditória reforma aguardam pelo seu melhor fim, enquanto ela continua gerando desgaste aos gestores municipais.

Economia / Opinião

Governo do estado vai pagar somente 25% do 13º salário em julho

O governo de Santa Catarina confirmou hoje (12), oficialmente que no mês de julho efetuará o pagamento de apenas 25% do 13º salário dos servidores públicos.

A alegação é de que a crise financeira impedirá de efetuar o crédito de metade da gratificação natalina.

Os outros 25% deverão ser pagos em agosto ou setembro, a depender do comportamento da arrecadação. A segunda metade só em dezembro.

Opinião

Casa do Colono terá suas obras retomadas

O prefeito municipal juntamente com o representante da BF Construções Eireli EPP, Lauri Luiz Fernandes, de Lauro Müller, assinaram na manhã dessa terça-feira (10), a ordem de serviço para o reinício das obras do Centro de Comercialização de Produtos Artesanais “Casa do Colono”, no Parque Municipal Ado Cassetari Vieira, em Urussanga.

“Esta é uma obra importante para o município e mais uma daquelas que precisamos romper com a empreiteira vencedora da licitação para dar continuidade à obra que estava paralisada”, explica o prefeito Gustavo Cancellier.

De acordo com os representantes da empresa, os serviços devem ter inicio na próxima segunda-feira (16).

Conseguido em Brasília pela administração anterior, a referido “Centro”, teve suas obras paralisadas por abandono da empresa vencedora da licitação na época.

Em fevereiro de 2016 a construtora chegou a comprometer-se com a administração,afirmando que entregaria a edificação em julho do mesmo ano, antes da Festa do Vinho que aconteceria em agosto, mas além de não honrar o compromisso ainda desistiu da continuidade.

Cultura / Destaque / Economia / Opinião / Política / Turismo

Nova Veneza: Leve, simples, real, motivada e exemplar

Encerrou-se na noite de ontem a 14ª edição da Festa da Gastronomia Típica Italiana, da vizinha Nova Veneza, evento que mais uma vez teve como principal atração os seus pouco mais de 14.000 habitantes.

A expectativa era de receber aproximadamente 100.000 pessoas, número ainda não confirmado mas que certamente independente do frio, Copa do Mundo e a não poluída divulgação, deve ter sido superado.

Se a gastronomia típica dá nome ao evento e de fato não deixa a desejar até nas mais modestas opções, a cultura e por consequência o comportamento é que são percebidos pelos visitantes.

Nos momentos que o Carnevale di Venezia remete ao luxo e quem sabe até o mistério de que escondido pela mascara poderia haver um nobre que misturou-se ao povo para brincar como já foi em outro tempo no país de onde os neovenezianos descendem, imediatamente percebe-se que a ordem maior é de simplificar.

Na Festa de Nova Veneza, nada e nem ninguém é maior que o evento. Nenhum show nacional, que se acontece é gratuito. Nenhuma empresa, marca, comandante, divulgador, grupo ou conflito ganha destaque, porque isso não é permitido. A administração municipal e Associação de Turismo, mobilizam, fomentam sem qualquer estrelato, de forma leve e efetiva.

E nessa cidade que ainda tem agricultura e indústria fortes sem qualquer questionamento sobre a atenção dada a tradição, cultura e turismo, também são eleitos prefeitos e vereadores a cada quatro anos. Mudam as administrações, partidos de situação e oposição e seus supostos simpatizantes, mas o foco não. Se um resgata e edifica a “Ponte dei Morosi”, o outro como o fez também nesse final de semana assina a ordem de serviço para a construção da “Rua Coberta”. Enquanto a intenção de construir o canal para a “Gôndola” já existente ganhar mobilidade, toma corpo.

Os problemas, erros, discordâncias certamente também existem em Nova Veneza, claro, mas o modelo de festa que acaba sinalizando a realidade da cidade é exemplar, sem buscar um autor. Ao ponto que os entes políticos catarinenses atuantes em âmbito estadual ou federal perceberam isso e fazem questão de serem vistos no município que tem resultados reconhecidos a nível nacional.

A deputado Geovania de Sá empenhou-se o conseguiu o título merecido de Capital Nacional da Gastronomia Típica Italiana, o que resultou no descerramento de uma placa alusiva nessa manhã de domingo. E vale lembrar que o município não se intimida com o anseio da capital Florianópolis e também pleiteia a instalação do Consulado Italiano.
Ou seja, Nova Veneza definiu seu patamar, é do tamanho dos seus sonhos.

Destaque / Opinião

Amici volta a representar Urussanga em Botuverá

Cumprindo uma agenda cheia, em razão dos inúmeros convites que recebe de municípios e eventos que buscam pelos representantes de Urussanga, tradição, cultura e gastronomia, o grupo Amici Della Polenta, alheio aos infelizes diálogos supostamente existentes na Benedetta nesse momento, os quais só evidenciam a falta de fomento por parte das administrações municipais, esteve em Botuverá, no Vale do Itajaí, como atração da festa em comemoração dos 56 anos de emancipação política daquele município.

Cultura / Economia / Opinião / Política

Audiência Pública foi em parte distorcida

Embora tenha contado com vários aspectos positivos, entre eles inicialmente o fato da mesma acontecer graças a proposição do vereador Elson Roberto Ramos,  que inclusive foi muito feliz na condução do evento, além da presença de estudantes vindos do Barão do Rio Branco e a participação de alguns dos presentes, 11 no total que se inscreveram para expressar suas opiniões.

Desde a assessora parlamentar que trouxe claramente os detalhes do projeto da escolariadde ao entendimento de todos, a defesa feita pelo prefeito e as argumentações feita por servidores, foram participações que expuseram posicionamentos.

No entanto, a presença menor dos urussanguenses do que o esperado, os quais manifestaram-se claramente nas redes sociais mas não foram até a Câmara e a atitude dos vereadores que em coro somente afirmarem que ali estavam para conhecer o desejo da maioria dos munícipes, abdicando assim também da oportunidade de demonstrarem seu pensamento a respeito, o que fizeram em sessões anteriores, foram os fatores negativos.

Mas nada foi pior do que distorção da audiência em vários momentos, ao ponto que se alguém não inteirado chegasse a Casa do Povo naquela noite poderia pensar que a discussão era sobre manter o ou não, a “Dona Nina”, empregada. Servidora essa, exemplar, a qual ninguém pretender prejudicar ao ponto que edis contrários ao projeto já esclareceram que se for mantê-la no cargo, para a diretoria especificamente que a mesma agora ocupa, embora não tenha se quer ter sido comunicada da mudança de cargo, votariam a favor.

Ao final, considerando as manifestações da população, mais de 70% disseram-se contrários no mínimo ao texto atual do projeto, sendo que alguns sugiram a retirada do mesmo e sua modificação.

E como principal observação, a avaliação de que diretores não executarão os serviços práticos que administração afirma, pois ocuparão cargo de chefia.

Áudio / Economia / Opinião

Ouça: Colombo comemora reportagem da Folha que destacou os números favoráveis do estado

O ex-governador e pré-candidato ao Senado Raimundo Colombo comemorou os dados apresentados pelo jornal Folha de São Paulo, neste domingo, que colocam Santa Catarina como o melhor Estado do Brasil. “Estou orgulhoso como catarinense e também muito fortalecido nesses anos todos de desafios que nós tivemos, de escolhas que nós fizemos”, afirmou Colombo, ao destacar que a matéria repõe algumas verdades sobre os dados do Governo.

A reportagem mostra que os números do Estado ficaram acima da média nacional de maneira consistente. “Com uma economia diversificada, o Estado gera emprego na indústria, em polos como Joinville e Blumenau, no comércio e no campo, além de dar espaço para novas empresas de tecnologia, as chamadas startups, em Florianópolis. A taxa de desemprego de Santa Catarina é a mais baixa do país, 6,3%. O rendimento médio do trabalho é o terceiro do país, atrás do Distrito Federal e de São Paulo”.

A matéria revela, também, que Santa Catarina é o Estado menos desigual do país e que sai do período de crise econômica com indicadores robustos, registrando crescimento do PIB em 2017 de 2,6% contra 1%, de acordo com dados do banco Itaú Unibanco. “Com relação às contas públicas, a dívida do Estado está relativamente sob controle. Equivale a 51% da receita corrente líquida, de acordo com levantamento feito pela economista Vilma Pinto, do Ibre da Fundação Getúlio Vargas. O limite é de 200%”, aponta a reportagem.

Opinião / Política

Dois eventos, um planalto e outro aqui no Sul, sinalizaram possibilidades na política catarinense

Em Lages no Planalto Serrano começou mais cedo, onde o PSD do estado reuniu-se no denominado “Ato de Celebração”, dos dois mandatos do agora ex-governador, Raimundo Colombo.

Lá ouviu-se do pré-candidato ao senado, que agora é necessário olhar para o futuro, conversar muito com as lideranças e construir até julho as condições para escolher o melhor candidato. O qual afirmou, “O Merisio está fazendo o seu esforço, vai liderando o nosso partido, conversando com outros partidos. Nós precisamos nos dar as mãos, trabalharmos com a humildade de quem sabe que o melhor caminho vai chegar lá na frente. Temos que trabalhar para fortalecer o nosso partido, o nosso pré-candidato”.

Percebeu-se na oportunidade a ausência dos líderes do MDB e do PSDB, diferentemente do PP.

Mais tarde em Criciúma, aconteceu a comemoração do aniversário da deputada federal Geovania de Sá, onde ocorreram manifestações especialmente dos tucanos, que disseram não abrir mão de uma candidatura ao governo do estado. E quando não discursavam admitiram novamente a possibilidade de candidatura própria. Embora tenham pelo menos publicamente, aparecido mais nos últimos dias na companhia de mdbistas.

Enquanto em Lages falava-se de Colombo como pré-candidato ao senado, e Merísio pré-candidato do PSD ao governo, com margem para a formação de uma aliança que iria avaliar o nome que irá concorrer ao executivo estadual, na cidade polo da região Sul, repetiam-se falas de Napoleão Bernardes, pré-candidato senado e Paulo Bauer ao governo de Santa Catarina.

Sem comparecer expressivamente em nenhum dos e encontros, o MDB, maior partido barriga verde, não cogita abrir mão da cabeça de chapa, embora faça mais menções ao PSDB.

A observação feita apontada por Gilberto Kassab ao dizer que é difícil haver em qualquer estado brasileiro uma liderança como Raimundo Colombo, afirmando “Como líder ele vai nos levar para esse porto seguro e apresentar para Santa Catarina o melhor caminho e projeto para as eleições.” Pode de fato indicar aquele que irá construir o cenário final para a disputa.

Há que se ressaltar que Júlio Garcia, além de buscar novamente uma cadeira na assembleia, com sua inegável habilidade já trabalha, mesmo sem alardes na direção do que Colombo deve capitanear. Fica o ex-governador limitado apenas pela intransponível barreira, que não mistura PP e MDB.

 

Opinião

Por quê ocupar um cargo público?

Tais postos estão ai! Nas esferas federal, estadual e municipal. Concursos, contratações e eleições colocam membros da sociedade em diferentes funções, as quais requerem a premissa máxima que é o entendimento dos assim funcionários públicos de que seus serviços destinam-se ao povo, a todos, sem distinção, e que sua remuneração e empregabilidade é garantida pelos esses mesmos.

Parece simples? Bem diferente do setor privado? Mas por quê ocupar um cargo público? Através de concurso para adquirir estabilidade? Se por contratação para ser premiado pelo apoio ao candidato eleito? E quando eleito porque se tratava de um desejo pessoal ou autoafirmação?

A população, o contribuinte, como denota a história, sempre nutriu expectativa sobre o desempenho das funções citadas, as quais entende constituírem as maquinas administrativas, que devem atender, prestar serviço, planejar e fomentar servindo-se das receitas oriundas de todos, afinal na prática não existe dinheiro público.

Entende-se então, que só pode obter, ocupar, permanecer no cargo público, aquele bem desempenha suas funções. Conclusão a que se chega, usando os mesmos aspectos da iniciativa privada a qual não para de evoluir, buscando, preparo, competência, desempenho e constante avaliação.

Grandes gestores já responderam aos seus subordinados com afirmação clara, quando perguntados, “faça como se estivesse na iniciativa privada e lá pretendesse permanecer empregado”.

Nosso país nos presenteia quase que diariamente com infelizes exemplos onde observamos que cores partidárias, paixões políticas ou até o “também quero uma boquinha”, nos conferiram uma realidade de desmandos, perdas, atrasos e incerteza do futuro.

Eleições temos a cada dois anos para esse ou aquele cargo, mas todo dia, toda semana, todo mês, é necessário e indispensável senso de realidade sobre como se é atendido por quem ocupa um cargo público e principalmente do porquê ocupar um cargo público.