Em meio as consultas feitas junto ao TSE por entes que atuam em Brasília, onde houve a manifestação de que até o momento cumprir-se-a o calendário. Quando também o Ministro que estará a frente da Justiça Eleitoral caso o pleito aconteça, Luís Roberto Barroso, afirmou que se a decisão do parlamento for pelo adiamento, isso deverá ocorrer “apenas pelo prazo necessário e inevitável”, para que as eleições sejam realizadas com segurança para a população, observando, “a realização de eleições periódicas é um rito vital para a democracia”. Isso em resposta a sugestão do Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para a não realização das mesmas, pelo menos nas datas até previstas. Ouvimos importantes líderes locais para saber sua opinião:

“Sempre fui favorável a unificação das eleições, acho que com a economia em baixa e as perspectivas de piorar o cenário com a epidemia do coronavírus a melhor coisa seria transferir e unificar como forma de garantir a saúde dos eleitores e economizar com o fundo partidário e os custos das eleições que ficam na casa dos bilhões de reais”. Wilson Adriani Joaquim – Presidente do PT

“Eu sempre fui a favor de unificar as eleições, isso traria uma economia enorme aos cofres públicos”. Vanderlei Marcirio – Presidente do PSDB

 “O PSD de Urussanga não cogita esse assunto, acreditamos que nesse momento, o foco é conter o COVID-19, incentivar e participar de todas as ações visando reduzir a curva de crescimento de possíveis infectados”. Jair Nandi – Presidente do PSD

“Acho que no momento é melhor aguardar. Não tomar nenhuma decisão precipitada. Até porque em situações como está o congresso terá o poder de fazer mudanças caso sejam necessárias. Particularmente sou contra eleições gerais. São muitos candidatos, e como a atenção maior sempre será o voto para prefeito e vereador, a escolha para os demais cargos acaba sendo prejudicada”. Vanderlei Olívio Rosso – Presidente do MDB

“Acho que as eleições deveriam serem feitas no mesmo dia com presidente da república, senadores, deputados federais e estaduais, governadores, prefeito e vereadores. Tomando esta atitude, economizaria bilhões que deveriam ser aplicados na saúde, educação, infraestrutura, segurança, entre outros setores que apresentam déficit”. José Carlos José (PP) – Presidente da Câmara de Vereadores

“Caso seja adiado por causa de epidemia, deve ser realizada 45 dias após a eliminação do vírus. Nem todos os eleitos tem disponibilidade para continuar além do compromisso de quatro anos assumido”. Décio Silva (PDT) – Vice-prefeito

“A única questão que concentra a atenção do executivo, neste momento, é o combate ao COVID-19. Não há espaço para qualquer outra discussão. A situação requer foco total”. Via assessoria: Gustavo Cancellier (PP) – Prefeito Municipal

Não obtivemos resposta por parte do representante do presidente do PP.