Blog do Paulo Matias

Política

Semana movimentada!

Florianópolis

Na capital depois dos apontamentos feitos pelo secretário de estado da fazenda quando da visita na Alesc, o visível posicionamento divido do governador, que ouve empresários, mas sinaliza aos deputados estaduais que precisa destes para extinguir os incentivos fiscais discutidos. Situação que fez com que esse até antecipasse a informação sobre uma possível falta de caixa para pagar a folha no meio ano.

Ainda na Ilha, mas já na Alesc, tomou corpo mais uma CPI, agora para tratar dos tais “benefícios de gaveta”, relatados pelo secretário citado anteriormente. E o rumo que teve da até prometida em campanha, Comissão Parlamentar de Inquérito, sobre a reforma da ponte Hercílio Luz, que gerou a insatisfação do deputado criciumense Jessé Lopes (PSL), que queria presidir a mesma, mas viu a mobilização interna realizada na casa colocar nesse posto o experiente Marcos Vieira (PSDB), deputado que se quer havia assinado em favor da referida CPI.

No estado

Já nas terras “Barriga Verde”, fechando a semana, a informação que surgiu sobre a possível intervenção do presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, no intuito de dissolver o partido no estado e não realizar convenção em julho. O que depois foi esclarecido, considerando que Gelson Merisio, candidato ao governo do estado que não logrou êxito, fica a frente do partido até a data citada e depois deve inclusive deixar a sigla, a qual ao que tudo indica vai ter na prática o comando do ex-governador Raimundo Colombo, uma vez que a maior liderança do PSD hoje, o presidente da assembleia legislativa do estado, Júlio Garcia, declarou que não tem interesse no posto.

Região

Trazendo a resenha para a AMREC, surpresa com a atitude do prefeito de Forquilhinha, Dimas Kammer, o qual através de um memorando interno, solicitou que fosse demitido seu secretário de governo, José Ricardo Junkes, que trabalhava na sala ao lado no passo e é presidente do partido do gestor, o PP. Sendo que ontem em uma coletiva, Kammer, rendeu elogios ao ex-secretário, mas não foi claro nas razões da demissão, embora tenha admitido que a forma foi no mínimo deselegante. O ocorrido que traz à tona a divisão da sigla no município, já afetada pelas intenções relativas as eleições de 2020, onde entra na história o ex-prefeito Lei Alexandre. Episodio sobre o qual o prefeito sinalizou que pretende descobrir o responsável pelo vazamento do “bilhete”, como se essa fosse a questão.

Lá fora

E na cidade polo, deu-se o pedido de desfiliação do PSL, do ex-presidente da executiva provisória do partido na mesma cidade, ente que participou ativamente da instalação da sigla na região, inclusive quando das definições de Carlos Moisés de Tubarão para a candidatura ao governo e de Daniel Freitas de Criciúma para a Câmara Federal. Empresário Júlio Lopes, pai do deputado eleito Jessé Lopes. Decisão que pode apontar o direcionamento do mesmo para outro partido, que sabe até seguindo a família Bolsonaro. Mas também indicando que a meta inicialmente anunciada sobre a intenção do PSL de atuar ativamente nas próximas eleições municipais não é tão simples.

Aqui dentro

Em Urussanga destacam-se a confirmação de que a reunião do MDB ocorrida no final da outra semana, foi diferente das demais realizadas depois da eleição de 2016, essa marcada pela cordialidade entre os participantes, onde também um pensamento foi consenso, do partido não deve demorar para colocar na rua nome do seu candidato a prefeito em 2020, o qual não será escolhido através de processo de “bater chapa”. E o anuncio da data em que ex-vereador que recentemente desfilou-se do mesmo MDB, Jucemar Sangaletti, assume uma diretoria no governo municipal do PP. O qual não deve filiar-se de imediato em outra sigla, mesmo com assédio do PSC.