Blog do Paulo Matias

Opinião / Política

Câmara de Urussanga volta ao trabalho amanhã com uma série de expectativas

Com requerimentos e indicações os membros do legislativo local retomam suas atividades concernentes ao ano de 2019, amanhã às 19h.

Sob a presidência do vereador Gilson Casagrande, o qual experimenta a posição e deve servir-se da experiência para o seu projeto maior, que é de nos próximos anos tornar-se prefeito da cidade, a Câmara Municipal deve ser palco nos próximos meses de atuações sobre as quais recaem grande expectativa.

O ex-presidente Odivaldo Bonetti, o qual somou o maior capital político no ano que passou, especialmente com a conquista de uma emenda parlamentar de R$ 1 milhão destinada ao asfalto do Rio Carvão e a devolução por parte da própria Casa no final do exercício de R$ 800 mil para mais asfalto, esse no Rancho dos Bugres, certamente vai acompanhar a execução das referidas obras em meio ao agora repetidamente citado, cronograma.

Já o outro membro da bancada do PP, Zé Bis, focado na questão da energia elétrica, conta com possibilidade de aprovação do referido projeto em Brasília que pode dar condição para a sonhada redução, nesse ano que começa.

O Suplente do PDT, Braz Cizeski, deve permanecer na cadeira com atuação de integrante da base do governo, uma vez que o titular da mesma, pretende continuar na diretoria em que se encontra.

Já o eleito pelo PT, Marcos Silveira, o qual sinaliza não pretender continuar na política, entra assim no seu penúltimo ano de atuação no legislativo local.

O pessedista Jair Nandi, deve assumir o papel também de liderança politica do partido, além de representante no legislativo como fez até agora, em razão da enfraquecida oposição existente na casa e porque o PSD não terá como não atribuir ao edil essa responsabilidade, uma vez que o projeto para 2020 é claro e já se desenha.

Com os relação aos vereadores daquela que deveria ser a efetiva bancada de oposição, os eleitos pelo MDB, Beto, Vanir e Deco, a falta de sintonia pode se agravar, em razão de intenções anunciadas, embora deva acontecer uma mobilização do próprio partido na medida do possível,  o qual precisa mais do que todos focar em 2020.

Cabe lembrar que nas próximas eleições municipais não haverá coligação para o cargo de vereador.